Insatisfação com a aparência é um forte indicador de depressão na idade adulta

Insatisfação com a aparência é um forte indicador de depressão na idade adulta (15 de abril de 2021)

Você sabia que a insatisfação com a aparência na adolescência pode ser um indicador de quadro de depressão na fase adulta? Pelo menos é o que mostra dados de um estudo realizado no Reino Unido.

Ficou curioso? Então continue sua leitura e entenda mais sobre como essa insatisfação com a aparência pode se tornar um forte indicador de quadros depressivos na fase adulta.

 

Insatisfação com aparência na adolescência pode indicar depressão na fase adulta - Entenda

Um estudo feito pelo Reino Unido e publicado no Journal of Epidemiology & Community Help analisou como os efeitos da insatisfação com a aparência na adolescência podem repercutir na vida adulta e influenciar no desenvolvimento de um perfil depressivo.

Isso mesmo! O estudo analisou cerca de 4000 pessoas. E levou em conta as mães e filhos nascidos entre 1991 e 1992 em Somerset, Inglaterra.

Os participantes foram questionados sobre suas percepções em relação as suas estruturas corporais, considerando partes como coxas, quadris, cabelo, estômago, cintura, nádegas, pernas, seios e rosto. Além disso, o estudo avaliou cada parte do corpo com uma pontuação de 0 (extremamente insatisfeito) a 5 (extremamente satisfeito).

No geral, todos se sentiam razoavelmente satisfeitos com seus corpos. Mas, as meninas eram as que apresentavam maiores queixas. Principalmente em relação aos pesos, coxas e estômagos.

Já os meninos, apresentaram reclamações quanto aos seus  estômagos, quadris e constituições corporais, estando menos preocupados com seus pesos, cabelos e pernas.

Após tal avaliação, foram analisados eventuais sintomas depressivos nesses mesmos candidatos após atingirem 18 anos de idade. Nesse momento o estudo observou uma relação direta entre a insatisfação com a aparência   e os quadros depressivos apresentados.

 

Principais sintomas depressivos detectados

Para avaliação do quadro depressivo foi utilizada uma escala validada, a CIS-R, que é uma entrevista psiquiátrica padronizada que avalia os TMC (transtorno Mental Comum) e suas categorias diagnósticas para enquadramento no CID-10.

As meninas apresentaram mais episódios depressivos do que os meninos. O que, aliás, já era de se esperar, visto que, na adolescência, elas apresentaram maiores índices de insatisfação com a aparência.

Diante disso, as principais conclusões quanto aos sintomas depressivos foram:

  • 10% das meninas apresentaram ao menos um quadro depressivo, ao passo que os meninos na proporção de 5%;
  • 7% das meninas relataram ao menos um quadro depressivo moderadamente grave, enquanto os meninos na quantia de 3%;
  • cerca de 1,5% sofreram episódios depressivos graves, ao passo que 0,7% dos meninos foram acometidos.

Isso fez com que os estudiosos concluíssem que a insatisfação corporal aos 14 anos, em meninas, é um sinal indicativo de desenvolvimento de quadros depressivos em todos os graus de severidade a partir dos 18 anos de idade. Enquanto que nos meninos, são mais presentes quadros leves e graves.

A associação fica mais evidente de acordo com à gravidade do episódio. Ou seja, o impacto da insatisfação corporal é maior em quadros depressivos graves.

 

Como melhorar a relação que se tem com o próprio corpo

Levando em conta o impacto da insatisfação com a aparência  na saúde mental das pessoas, é sempre importante adotar algumas medidas que ajudam a melhorar sua relação com o próprio corpo. Entre elas, podemos citar:

  • Investir no autoconhecimento;
  • Não consumir conteúdos que imponham um padrão de corpo, como revistas ou então perfis em mídias sociais;
  • Fazer elogios a si mesmo;
  • Alimentar-se bem com o objetivo de investir na sua saúde e, não necessariamente, na sua estética.

A insatisfação com a aparência é uma questão de saúde pública e pode estar associada a quadros depressivos. Para evitar problemas como esses, procure adotar as dicas acima e tente manter uma boa relação com seu corpo. Afinal, a prevenção é sempre o melhor remédio!

 

 

Medical Tecnica é especialista em avaliação e reabilitação de problemas de memória e concentração em crianças e adultos. Nossos sistemas avançados de avaliações neuropsicológicas computadorizadas são usados para detectar deficiências cognitivas como TDAHAlzheimer, Dislexia, DiscalculiaDepressão e Autismo. Também oferecemos programas de treinamento, reabilitação e estimulação para queixas de memória.

https://www.avaliacoesneuropsicologicas.com

https://www.medicaltecnica.com.br

 

 

Comments are closed.