Diagnóstico precoce é MUITO importante

Quanto mais cedo agir melhor

Os seus sintomas podem não ser causados por Demência, mas se forem, um diagnóstico feito atempadamente é muito importante. Um diagnóstico precoce significa que pode ter acesso a apoio, informação e medicação. As pessoas diagnosticadas com demência devem ter a oportunidade de participar no planeamento das suas vidas e das suas finanças e também comunicar os seus desejos em relação aos cuidados de saúde futuros.

A importância de um diagnóstico correto

A Demência só pode ser diagnosticada por um médico especialista, por isso consultá-lo numa fase inicial é fundamental. A realização de uma avaliação médica e psicológica pode permitir identificar uma situação tratável e assegurar o seu correto tratamento ou confirmar a presença de Demência. O médico é a pessoa indicada para iniciar o processo de diagnóstico. Após avaliar os sintomas e solicitar os exames necessários, pode fazer um diagnóstico preliminar e o encaminhamento para um médico especialista - neurologista ou psiquiatra. Algumas pessoas podem apresentar resistência em consultar o médico. Umas porque não reconhecem ou negam a existência de qualquer coisa errada consigo – esta situação pode decorrer das alterações cerebrais provocadas pela Demência, que interferem na capacidade da pessoa reconhecer ou avaliar os seus problemas de memória. Outras porque, apesar de manterem a capacidade de discernimento, podem ter receio de que os seus medos sejam confirmados. Manter uma atitude calma e atenciosa, bem como tranquilizar a pessoa, pode ajudá-la a ultrapassar as suas preocupações e receios.

O Diagnóstico pode incluir a realização de:

  • Uma história clínica detalhada, fornecida, se possível, pela pessoa que apresenta a sintomatologia e por um familiar ou amigo próximo. Aquela irá permitir estabelecer se os sintomas surgiram lenta ou subitamente e qual a sua progressão.
  • Um exame físico e neurológico aprofundado, incluindo testes aos sentidos e movimentos, de forma a excluir outras doenças e a identificar quaisquer outras situações que possam agravar a confusão associada à Demência.
  • Exames laboratoriais, que incluem uma variedade de análises ao sangue e à urina, para despistarem qualquer doença responsável pelos sintomas.
  • Uma avaliação neuropsicológica  para avaliar as funções intelectuais que podem ser afetadas pela Demência – como por exemplo: memória, capacidades de leitura, escrita e cálculo.
  • Uma avaliação psiquiátrica para identificar perturbações tratáveis que podem mimetizar a Demência - como por exemplo: depressão e monitorizar os sintomas psiquiátricos que podem ocorrer juntamente com a Demência – como por exemplo: ansiedade e delírios.

CONHECER ATEMPADAMENTE O DIAGNÓSTICO É FUNDAMENTAL:

  • A Pessoa com demência e a sua família encontram uma explicação para o que as atormenta;
  • É sempre mais fácil lidar com o que se conhece do que com o desconhecido;
  • Existem medicamentos que retardam a progressão da doença e aliviam os sintomas;
  • Existem intervenções não farmacológicas que ajudam a: Manter as capacidades; Promover o bem-estar; Promover a ocupação e o envolvimento social.
  • A Pessoa pode organizar a sua vida e planear o futuro: Escolhendo alguém da sua confiança que a ajude a tomar decisões ou a tomá-las em seu nome quando tal se torne necessário; Tomando decisões para o futuro sobre diversas questões (pessoais, de saúde, patrimoniais).

UM DIAGNÓSTICO PRECOCE PERMITE ASSEGURAR UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA PARA A PESSOA COM DEMÊNCIA.

phases in alzheimer