Porque o diagnóstico do Comprometimento Cognitivo Leve é importante?

Comprometimento Cognitivo Leve pode ser o primeiro sinal de risco para o desenvolvimento de futuras demências como o Mal de Alzheimer

Nos últimos anos, o conceito de Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) em idosos tem sido um tópico muito presente na literatura sobre envelhecimento e demência. Esta condição refere-se a idosos que têm algum grau de perda cognitiva quando comparados a pessoas normais da mesma faixa etária, mas que não preenchem critérios para demência. Estudos epidemiológicos mostram que estes idosos, especialmente aqueles com subtipo amnéstico, têm maior risco de desenvolver Doença de Alzheimer (DA). A importância do tema se justifica pela possibilidade de se determinar marcadores que possam sinalizar o grupo de indivíduos que evoluirá para um quadro demencial, e também pela perspectiva de intervenção neste grupo visando impedir este desfecho. Alguns estudos têm sugerido que o comprometimento cognitivo leve (transorno cognitivo leve) pode representar um fator de risco para DA, tendo em vista a taxa de conversão para esta patologia, em torno de 10 a 15% ao ano, contrastando com a de indivíduos normais, em quem ela varia de 1 a 2% ao ano.

 

ccl por ano

A avaliação do comprometimento cognitivo leve abrange várias etapas e requer um olhar multiprofissional. Para aqueles idosos sem qualquer declínio significativo dentro do percurso do envelhecimento normal, atividades preventivas e de controle destes fatores de risco podem ser planejadas. Para aqueles idosos que já apresentam declínio cognitivo com potencial risco para demência, existem estratégias de intervenções que ajudam a evitar a evolução do declínio. E a reabilitação neuropsicológica é um caminho promissor para aqueles já acometidos por uma demência.

A importância do diagnóstico e tratamento do Comprometimento Cognitivo Leve deve-se à manutenção da capacidade cognitiva do paciente e adiamento do processo de neurodegeneração, uma característica do Alzheimer. A elevada atividade intelectual (por meio da educação formal, leitura, estudo de idiomas, entre outros), aliada a uma boa alimentação e a prática de atividades físicas diárias podem gerar reserva cognitiva suficiente de modo a atenuar os impactos da CCL, podendo ser este um fator que retarda a conversão para a Doença de Alzheimer.

As doenças degenerativas cerebrais são muito mais sacrificantes para a família do que para o doente. Se a pessoa detecta os sintomas e não quer ser um "problema" para a família, deve procurar ajuda. O tratamento no momento adequado melhora inclusive as condições de vida do próprio paciente e não deve ser ignorado.